sexta-feira, 16 de dezembro de 2011


O preço

A venda subiu, como de presente.
Mesmo sem ela ter vestido coisa alguma.
Estava no mundo e não nos olhos.
Como se antes de tudo ela fosse nua.

A solidão alheia entorpece e pende os dois lados.


 E lá vem os dois inerentes a existência.

Excitação e anedonia em uma competição de harmonia.

Sempre de mãos dadas e a entrelaçar os dedos, tentando assim dar nó nos medos.

Os olhares ressaquentos fazendo a beleza e o caos.
Os desejos, agora bolorentos, sacudindo-se ao sol.
A verdade imponente se tornando leviana.
E a saudade? Bem presente, trabalhando à paisana.


Tempero a gosto e o gosto a sorte. Sorte ao vento.

Um turbilhão de passado entristecido, emudecendo, emudecido.

Umidificando a terra de onde o broto brota, fazendo sombra no futuro.

A venda, linda, esta à venda. Mas eu? Eu vou economizar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Brigado por comentar.